All you need is love.

"A lua que eu mais gosto é a lua nova... e a crescente, porque lembra o sorriso do Cheshire Cat."
bacante boêmia vênus invisível veleia volátil e vil - em vão?

Black star dancing in the end of life.

Take these broken lights and learn to shine.

All your life, you were only waiting to this moment to be loved.

18 de fevereiro de 2013

Esperança.

Starry Night, Van Gogh.
  Rio de Janeiro. 1955. Num apartamento de classe média de Copacabana. O relógio soava angustiado no seu tic-tac/tic-tac. As horas não passavam. Ele não havia ligado. Sofia então sentou, foi para a máquina de escrever e começou - "tec-tec-tec": 'Um dia...'. Mas não vinha nada na cabeça, a ansiedade causada pela ausência dele ocupavam sua mente. Ela então foi para varanda, acendeu um cigarro e começou a observar o céu. A Lua e as estrelas estavam brilhantes como ela quase nunca havia percebido ultimamente. Ela se lembrava de quando o tinha conhecido. Pensava: "Será que as outras moças da festa lhe eram mais atraentes do que eu?". Mesmo ele tendo-a escolhido aquele dia. Dançaram uma valsa, naquele baile.  Desde então, sua vida continuava a mesma. Escrevia, estudava, vivia. Ela não precisava dele. Isso é uma ilusão. De repente, teve um acesso de tosse. Apagou o cigarro, irritada.
 Seus vizinhos quase não a conheciam. Seus amigos a viam raramente. Suas melhores companhias eram as idas ao cinema, ao teatro, e seus livros e sua música. E tinha também um gato de estimação. Não se queixava, porém sentia que faltava algo mais.

Klimt.
 "Quando foi que o perdi? E eu, quando foi que me perdi?...". Pensando nisso, voltou para seu quarto. Foi tomar um banho. Botou a roupa de dormir de sempre, deitou-se, dormiu e sonhou com ele, novamente, esperando encontrá-lo, novamente, quem sabe, quem sabe...

Nenhum comentário:

Postar um comentário